sem título

 

 

despedaçou-se ao começar. foi assim, como se capotando, degringolando-se, a maior das alegrias. quedando num pouso mal calculado até se esfarelar no pó da terra. as razões da ceifa certeira e consciente de um caule ainda vulnerável ao mais leve sopro, quem poderia relatar?
.                           o que seria um alvo
.passível de denúncia
.                                         nesse caso?
.                que culpa
.                                          ou culpado?
.a morte há tempos transferiu sua função aos vivos
.                                     por observá-los
.                                                       em exercício
.pleno da habilidade de recolher almas (mesmo que para nenhum corpo seguinte,
.um descarte) após tantas eras de aperfeiçoamento diário da prática, mas, como que pelo costumaz e automático
.                                    gosto pelo serviço,
.ela eventualmente vem buscar
.                      um de seus protegidos
.para depositá-lo no futuro, abrindo um espaço
.                                    vazio
.                                              no agora.
.                                                          um espaço
.que começa como um tiro.
.                         que abre uma ferida
.            que atamanha-se
.                    ao modo de crateras
.                                  num outro país
.                                                        que é a pele.
.              instaura-se esse velório sem cadáver,
.essa ladainha de ninguém.
.                            e, ao atingir a fronteira do osso
.                                  (e é necessário assistir
.                                          e sentir
.                                           atentamente o atamanhamento desse furo),
.                                                                                   a dor recua e desaparece:
recobre a ausência de carne com a carne de que é feita a terra e então preenche todo
esse espaço ora repleto de subtrações como uma faca faria num corte, pelo avesso, e encharca-se da chuva, do sol e das aleatoriedades precisas e necessárias do vento (insetos, folhas, microrganismos, passos, estrelas). torna-se barro

e depois chão
e então, nunca suficientemente                                                                 .
preparado,                                              .
o que era despedaço recomeça                                .
sua eterna tarefa                                                               .
de gestar o que há adiante.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s