um elefante

 

.                    observa a humanidade
.sem pesar
.
.o que ele sabe
.               sobre as palavras
.         é o suficiente
.
.contra o              nada
.        e em favor
.    de todas as lutas
.o elefante
.                             arma
.suas silenciosas presas
.            e jamais
.                          ataca       ria
.
.     (pois é minúsculo
.                       e alado
.em seu pleno
.                     despejo
.               sobre a terra
.e após o paraíso)
.
.           atacaria talvez
.               se colocado
.em face do
.             infinito
.            que não deseja
.
.mas como
.             o faria
.           um aríete
.                        em ruínas
.                        ou
.um vendaval
.                 na  memória
.                 ou
.                                      uma tempestade
.                              anterior
.                                         ao tempo
.                                   acontecendo sempre
.                                                          em cada júpiter,
.                                       momento
.                                                        e em todo
.                                                                  átomo além
.
.                                   sua carne
.                                   por ser
.                                   antes calo
.                                   do que sal
.                                  é seu escudo
.
.                                                                    seu passo suas idéias
.                                                                                                são

.
.e nem ao mais tranquilo mar
.haveria a necessidade
.de ser dita uma
.certeza sequer
.pela língua
.escura
.de um elefante

Anúncios

cavalo solto

a passear o peito de quem ama
Carlos Drummond de Andrade 

.meus poemas, os dos outros,
.especialmente os de
.amor que lhe dedico
.
.nunca servirão de nada
.não provocarão um suspiro
.só que seja
.
.e você nem vai lembrar
.do que eles dizem
.
.porque
.por mais
.      que eu creia
.assim,
.            deste modo tão secreto,
.     que um poema
.                    possa
.              carregar amor
.
.o amor, esse asceta
.                                   ,
.  não se locomove
.                      por essas
.              e nem
.                      pelas
.                                     mais frias
.               e férreas
.                                maquinarias humanas

natimorto

à Aline

as mãos, leves, repousam em calma e aço.
é esta a poesia natimorta,
a minha e a tua
Zouvi

.                antes do elo
.                         do afeto
.        as nuances
.                         do nanquim
.
.     sentada
.nos bancos de
.        todas
.     as praças
.                         do mundo
.
.        retalho-te
.                        do ventre ao
.            colo
.
.                    observo-lhe as
.                            entranhas
.        – a falta de
.                    ópio
.       nos pulmões –
.
.     a menstruação
.                         ainda
.em manufatura
.
.                       assisto tuas
.                histórias
.                        de amor
.
.teus atestados
.                        de óbito
.
.                       a pornografia
.        que excita em
. falso
.
.a fera idílica
.                          que irrompe das
.                                reentrâncias
.                        do espírito
.
.                            pasmado
.                quase comovido
. com suas distâncias
.                                   – os gestos que
.                                       praticas
.                                       laboriosamente –
.
.compro-lhe
.              o café
.               que te mantém
.                          acordada

sintoma.

Não mais o desejo de explicar, e múltiplas palavras em feixe
subindo, e o espírito que escolhe, o olho que visita, a música
feita de depurações e depurações, a delicada modelagem
de um cristal de mil suspiros límpidos e frigidos
Drummond.

os joelhos
(duas pernas)
traçam uma liga-
(abertas)
ção entre
si

e dão
num triângulo se
ligam-se
ao meio
abaixo

o meio
projeta-se narciso
(e pequeno)
ao triangular
contexto

ele é capaz de conter
toda presença

aquilo
de sempre

a mesma
e toda
necessidade

da gente da
cidade natal

(o mesmo
conforto
de uma casa
vazia)

a mesma
(exegética)
necessidade
de penetrar
em carne
rente ao
pênis

em meio a uma multidão

violentamente. mais do que qualquer poema, sem escapatória sem chance irrompe o sentimento conforme o risco do atrito  se adensa irrestrito a todos a ninguém. culpar a tudo pela falta de tê-lo a ponto de deixar de reconhecer os códigos os modos de dizer. evitando ao mesmo tempo culpar. faz parte do processo inevitável de contenção contensão, apreço e aversão completas. violentamente, mais do que em qualquer poema, pra que o sentimento saia em meio ao sêmen.