desmonumento

para Manoel de Barros

.foi quando a velhice
.  emoldurou as minhas
.                         páginas com gordura
.        dos dedos amarelamente
.                   que lá era um monumento
.     de nuvens inéditas,
.         ciscos e postes sem cercas
.
.                                      eu era voo e tremi
.                                                     ao percorrer as
.                                      janelas daquelas
.                                                                       estátuas de ar
.
.pois também
.     nelas além
.                         das trovoadas
.         estarem estão
.   a única terra
.                          onde se pisa adiante
.
.   a úmida e silenciosa
.confiança que há
.                          nalgumas cascas e plantas
.
. e as mais execráveis
.importâncias do mundo
.        de braços dados
.                              mesmo com as
.                              mais gloriosas abominações
.                          por exemplo um monumento
.
.nada se transforma
.(há muito mais restos
.             nos ponteiros
.         do que horas)
.a não ser
.              que, somados, os mais
.dispensáveis resíduos do pó
.               sejam alçados como uma infantaria
.   de balões familiares
.
.                    e cavalguem
.                em passeio pelo céu
.               que inventam ao seu
.          modo de fábrica vazia
.        a nos estender
.                             asas em desuso