dinossauro

daí ela disse
grrawl

e eu saí
correndo com a mão
na cabeça gritando
meu deus tem
um dinossauro na minha
casa e agora?

é um dinossauro
enorme feroz peligroso
faminto que adora devorar
pessoas especialmente
as pessoas assim como
eu que morrem
de medo de
dinossauros enormes
ferozes peligrosos famintos

pensei preciso
encontrar um esconderijo
ali na frente aquela caixa
enorme do fogão
novo vai servir
aqui nenhum
dinossauro vai me achar
ainda bem
ufa

daí o dinossauro tava vindo
dava pra ouvir os passos
dele e uma risada que se não
fosse a assustadora
risada de um dinossauro enorme
feroz peligroso faminto seria
a de alguma menina pequena
a risada mais bonita
maior do mundo assim
gigante

daí o dinossauro queria
me enganar e falou
assim dando risada
calma pai
é de inventado só
sou eu ó viu?

lugar

diante da correnteza
desses dias
Donizete Galvão

.ao chegar
.            aqui já não
.            sabia ao
.certo o que
.passara até
.                    então
.
.as razões pelas
.quais as coisas
.tornaram-se o que
.agora
.são são
.             sempre vagas
.
.e então
.a vida é mesmo
.assim
.           não se
.              sabe nunca:
.
.as mãos por
.debaixo dos
.    panos como
.segredos à luz
.
.depurações e
.                 depurações
.
.o que ainda há
.              de ser é
.                   sempre
.          ainda só
.um nunca
.
.
.e não
.              se poderia
.deixar suceder
.          falta de
.nunca nenhum
.
.porque ao chegar
.aqui
.       só se pode
.                          andar
.                          adiante
.
.afinal de rio
.    é que
.somos feitos
.
.e não há
.          nada já
.           feito no
.mundo que
.    não tenha
.um dia sido
.agora

e

– (…) como as ilhas: sempre longe, mas ofuscando todo mar em redor
Mia Couto

.                            finalmente.

.se puseram
.               – desabadas
.                  de caminho –
.em movimento,
.
.ao lado uma
.                          da outra,
.
.nossas almas

infinito

.nunca
.            me lembro
.       de nada
.
.de palavras ditas
.                 escritas
.          me esqueço
.        por completo
.
    da maneira
.             que a mandíbula
.                        mastiga
.     do mecanismo do
.                                passo
.                            – engatinho? –
    do automático
.                     cumprimento
.                a quem já conheço
.
.vejo o laranja das horas
.                          o começo
.
.             dessa corriqueira
.demolição na memória
.         brotam como
.                       cigarros nos dedos
.   ilhas efêmeras
.a frente dos
.                  olhos e ossos
.                             e gestos
.   de eterna e íntima
.       inexperiência
.
.                     páginas vazias
        onde anoto meus
                           passos em falso