lugar

diante da correnteza
desses dias
Donizete Galvão

.ao chegar
.            aqui já não
.            sabia ao
.certo o que
.passara até
.                    então
.
.as razões pelas
.quais as coisas
.tornaram-se o que
.agora
.são são
.             sempre vagas
.
.e então
.a vida é mesmo
.assim
.           não se
.              sabe nunca:
.
.as mãos por
.debaixo dos
.    panos como
.segredos à luz
.
.depurações e
.                 depurações
.
.o que ainda há
.              de ser é
.                   sempre
.          ainda só
.um nunca
.
.
.e não
.              se poderia
.deixar suceder
.          falta de
.nunca nenhum
.
.porque ao chegar
.aqui
.       só se pode
.                          andar
.                          adiante
.
.afinal de rio
.    é que
.somos feitos
.
.e não há
.          nada já
.           feito no
.mundo que
.    não tenha
.um dia sido
.agora

eternidade

ao Leandro

todavía son sus pestañas, y también lo es su corazón
Uxbal

.que verdade
.                     ou vitória
.            e em que forma
.   de disfarce,
.   monumento ou glória
.seria capaz
.        de inocentar o ódio
.                     que move
.    e o sangue
.                   que escorre
.dos bolsos
.              dos vencedores
.              em tom de ópio
.enquanto empoeiram
.                      seus pódios?
.
.                                           que luzes?
.
.que silêncio
.                   ou calabouço
.(de que orquestra?
.  de quantos tambores?)
.                         seria
.                      ou já fora
.                     um dia
.               capaz de calar o ódio
.                        e o sangue
.            daqueles que
., derrotados,
.              cantam pulsantes
.– mesmo que
.já mortos –
.             sua necessidade
.                              e desejo
.                        de revanche?
.
.                                          que sombras?