três poemas do infinito começo

orum


à Barbara

Do corpo, tornei-me um foragido,
do espírito, um exilado;
juro que não sei:
a este não pertenço, nem àquele
Rumi

.ao chegar nesta cidade
.a balconista
                na lanchonete
.já havia perdido
.seu pai
       dia dois faz um ano
.
.– os anos aspirados
.em falso
.       anunciados
         nas folhinhas
.livros sagrados, datas de validade –
.
.e já havia flores aqui
.de compor coroa
.por sobre
.                  minhas pedras
.
.teu trovão silencioso,
         chão em tempestade
.e arranjo de chama
.
.como exigir
      do gesto de um rio
.   que ele não
.            seja ávido?
.
.
.

cacos

.
E em meio às  lágrimas recolhemos
a madeira de nossa nova casa, abrimos os braços ao
consolo de um novo amor e sabemos do céu e dos
homens o que não sabíamos antes.
Nuno Ramos
em fratura

.                completa
.e permanente
um disco
.        de cera
.no chão da sala –
.                                 despedaçado? –
.
.    antes aceita
.seus novos
.         e inexatos
             contornos
.
.e silencia a música
.                   antiga
.      ali contida
.para estruturar
.     em sua placenta escura
.golpes sinfônicos
.       recém-nascidos
.           fênix
.
    do que
.cancela
.         sua vida
.e anula
.                       – asséptica –
.o elo
.           entre
.o útero do passado
   e o umbigo
                       dos dias
.            que vêm
.
.são seus
.                                                                  mi
.                                               cro
.                                                         ca
                                                                          cos
.estilhaços
     que não lixo
.            areia incisiva no piso
.        – por entre seus vincos –
.
.anunciando
       nenhum consolo
.ou esquecimento
.
.                                             tijolos
.
.
.

infinito

.nunca
.            me lembro

.       de nada
.
.de palavras ditas
.                 escritas
.          me esqueço
.        por completo
.
    da maneira
.             que a mandíbula
.                        mastiga
.     do mecanismo do
.                                passo
.                            – engatinho? –
.     do automático
.                     cumprimento
.                a quem já conheço
.
.vejo o laranja das horas
.                          o começo
.
.             dessa corriqueira
.demolição na memória
        brotam como
.                       cigarros nos dedos
.   ilhas efêmeras
.a frente dos
.                  olhos e ossos
.                             e gestos
.   de eterna e íntima
.       inexperiência
.
.                     páginas vazias
        onde anoto meus
                           passos em falso

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s